quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Body Art


Olá querido leitor (a), decidi fazer postagens mensais dessa forma posso estar encontrando conteúdos diversificados e atraentes para vocês. 
Para quem clikou ansioso em ler sobre Tatoos e Piercings... hunnn sinto desapontar ='/, a Body Art vai muito além ... já que está aqui por que não conhecer essa vertente das Artes Visuais presente na contemporaneidade? 

Body Art - arte do corpo, está associada à Arte Conceitual e ao Minimalismo. É uma manifestação das artes visuais onde o corpo do artista é utilizado como suporte ou meio de expressão.

O espectador pode atuar não apenas de forma passiva mas também como voyeur ou agente interativo. Via de regra, as obras de Body Art, como criações conceituais, são um convite à reflexão.

Foi na década de 1960 que essa forma de arte se popularizou e se espalhou pelo mundo. Há casos em que a Body Art assume o papel de ritual ou apresentação pública, apresentando, por tanto, ligações com o Happening e a Performance. Outras vezes, sua comunicação com o público se dá através de documentação, por meio de videos ou fotografia, como no caso do artista que iremos conhecer neste post.

Suas origens encontram referências há mais de 3500 anos atrás. A arte usando o corpo como suporte era uma forma de expressão da personalidade ou de indivíduos de uma mesma comunidade tribal (união de pessoas com as mesmas características sociais e religiosas). Os primitivos se tatuavam para marcar os fatos da vida biológica: nascimento, puberdade, reprodução e morte. Depois, para relatar os fatos da vida social: virar guerreiro, sacerdote ou rei; casar-se, celebrar a vida, identificar os prisioneiros, pedir proteção ao imponderável, garantir a vida do espírito durante e depois do corpo.


"Tudo pode ser usado como uma obra de arte" [Marcel Duchamp],




inclusive o corpo. Além de Duchamp, podem ser considerados precursores da body art o francês Yves Klein, que usava corpos femininos como "pincéis vivos", o americano Vito Acconci e o italiano Piero Manzoni.

As imagens desse post são de Andy Alcala
com apenas 20 anos de idade  criatividade e talento de sobra, o jovem americano decidiu fazer arte de um jeito inusitado. Nada de telas ou painéis de pintura convencionais: o artista reproduz pinturas de artistas consagrados em seu próprio rosto.
Inspirado nas aulas de história da arte assistidas na Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, Alcala apostou em obras de Van Gogh, Andy Warhol, Piet Mondrian e Edvard Munch, entre outros, para criar a sua própria arte.


Veja a técnica usada por ele para reproduzir as obras em um clik!

Mais do mesmo bem aqui!


Curtiu?
Comenta e compartilha então!

Lembrando que adoro sugestões, até o próximo post.

Beijos

=]

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

O mito da MONA

Olá caros amigos, desculpem a ausência, vou tentar ser mais assídua a partir dessa nova postagem.
O tema de hoje é inspirado em um vídeo, enviando pela Caah Tonks (minha sis), que me deixou boquiaberta seguindo também algumas solicitações de amigos e até mesmo dos alunos, já fiz varias aulas abordando esse tama, mas muita gente ainda me pede, então estou colocando um pouco do que sei aqui no blog para vocês,  há um mito gigante em torno dessa "musa" do Renascimento Artístico, tentarei esclarecer alguns pontos.

A "Diva" decorou o quarto de Napoleão até ser levada para o Louvre,  em 1804. Provocou engarrafamento do transito de Nova York quando 1,6 milhão de pessoas se precipitaram para vê-la numa exposição de sete semanas.  Em Tóquio, permitia-se a cada visitante dez segundos para olhá-la. O objeto de toda essa atenção foi o retrato mais famoso do mundo!Com vocês:    MONA LISA!

Quem é ela \o?
Sempre foi chamada de Mona Lisa, ou melhor Madonna Lisa di Antonio Maria Gherardini. Historicamente, ela não era uma pessoa importante mas, provavelmente, a jovem esposa de um rico mercador florentino chamado Francesco del Giocondo; por isso o quadro é muitas vezes chamado de La Gioconda [ "Mona" era a abreviatura de Madonna, que quer dizer Senhora - não confundam com a outra Diva.... a do pop ok?]. O retrato definiu padrões para a Alta Renascença em 
vários aspectos decisivos. O uso da perspectiva, com todas as linhas convergindo para um único ponto de fuga atrás da cabeça de Mona Lisa, e a composição triangular estabelecem a importancia da geometria na pintura. Era diferente dos rígidos perfis dos retratos que haviam sido regra geral, pois mostrava a imagem numa postura natural, relaxada, em três quartos. Para chegar a esse conhecimento exato de anatomia, tão evidente nas mãos de Mona Lisa, Leonardo morou em um hospital, onde estudou esqueletos e dissecou mais de trinta cadáveres.
Uma das primeiras pinturas pinturas em tela destinadas a ser pendurada na parede, a "Mona Lisa" realizou plenamente o potencial do novo veículo -a tela. Em vez de tomar como ponto de partida as figuras delineadas, como os pintores costumavam fazer antes da Renascença. Leonardo usou o chiaroscuro para modelar as feições por meio de luz e sombra. Começando com tonalidades escuras, ele construiu a ilusão de feições tridimensionais com varias camadas de vidrato fino e semitransparentes (até as pupilas da Mona Lisa foram compostas com sucessivas camadas finas de pigmento). Essa técnica de sfumato apresenta um conjunto, segundo as palavras de Leonardo, "sem linhas ou fronteiras, à maneira da fumaça". As cores vão do claro ao escuro numa gradação contínua de tonalidades sutis, sem bordas definidas que as separem. As formas parecem emergir das sombras e se misturar nelas.E ela tem o famoso sorriso. Para evitar a solenidade dos retratos formais, Leonardo provavelmente contratou músicos e bufões  para distrair a modelo. Embora deixasse frequentemente o trabalho incompleto devido a frustração, quando suas mãos não acompanhavam a imaginação, esse quadro foi imediatamente aclamado como obra-prima e influenciou muitas gerações de artistas. Em 1911, um trabalhador italiano, indignado pelo fato de que o melhor da arte  italiana residir na França, roubou o quadro do Louvre para devolvê-lo à solo pátrio. A "Mona Lisa" foi encontrada no quarto miserável do patriota dois anos depois em Florença.Em 1952, havia mais de sessenta versões da Mona Lisa, Desde a Mona Lisa de cavanhaque de Marcel Duchamp, em 1919, até a série em silkscreen de Andy Warhol e à imagem de Jasper Johns, em 1983, a Mona Lisa não é só o mais admirado como o mais reproduzido dos quadros.

Segue abaixo o video que inspirou este post:











Bibliografia:
Strickland, Carol. ARTE COMENTADA: DA PRÉ-HISTÓRIA AO PÓS-MODERNO. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

Cumming, Robert. ARTE EM DETALHES. São Paulo: Publifolha, 2010.





quarta-feira, 6 de abril de 2011

A Câmara Viajante

Que pode a câmara fotográfica? 
Não pode nada. 
Conta só o que viu.
Não pode mudar o que viu. 
Não tem responsabilidade no que viu. 
A câmara, entretanto, 
Ajuda a ver e rever, a multi-ver 
O real nu, cru, triste, sujo. 
Desvenda, espalha, universaliza. 
A imagem que ela captou e distribui. 
Obriga a sentir, 
A, criticamente, julgar, 
A querer bem ou a protestar, 
A desejar mudança. 

A câmara hoje passeia contigo pela Mata Atlântica. 
No que resta - ainda esplendor - da mata Atlântica 
Apesar do declínio histórico, do massacre 
De formas latejantes de viço e beleza. 
Mostra o que ficou e amanhã - quem sabe? acabará 
Na infinita desolação da terra assassinada. 
E pergunta: "Podemos deixar 
Que uma faixa imensa do Brasil se esterilize, 
Vire deserto, ossuário, tumba da natureza?" 
Este livro-câmara é anseio de salvar 
O que ainda pode ser salvo, 
O que precisa ser salvo 
Sem esperar pelo ano 2 mil. 



Autor: Carlos Drummond de Andrade


As maquinas fotográficas fazem parte do nosso dia-a-dia, mas nem sempre foi assim tão fácil e acessível para todos fotografar. Anexei dois videos que contam um pouco do processo fotográfico, espero que gostem,

bjs Mabi =]


video



Uma experiencia legal e facil de fazer.... 

video


TOME NOTA: A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel" ) ou γραφη grafê, e significa “desenhar com luz e contraste”
Por definição, Fotografia é, essencialmente, a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando esta em uma superfície sensível.


ps: talvez você também queira ver - http://www.youtube.com/watch?v=6ZUUS9kjWf8&feature=grec_index

quinta-feira, 10 de março de 2011

Você fala TURCO?

BAILARINOS DA TURQUIA


video


Agora pense; mesmo sem saber o que os caracteres (letras) ao lado de cada imagem montada pelos bailarinos significa você conseguiu entender cada elemento/figura formada nesta dança. Saberia dizer por que? 
Pois bem queridos; cada momento dessa dança sugere ideias,  nós espectadores as  transformamos em símbolos que possuem significado para nós. Por isso, mesmo não sabendo o idioma conseguimos compreender as ideias e  construir uma mensagem atribuindo significado a ela. Isso faz de nós (seres humanos) seres simbólicos.
 Repararam ainda que toda a comunicação foi feita com o corpo?
As vezes achamos ou até mesmo esquecemos que existem outras maneiras de se comunicar e fazemos o uso apenas da linguagem verbal, ou seja das palavras; mas as palavras são apenas uma das maneiras que temos para nos comunicar. 

Já repararam que um olhar pode dizer muita coisa? 
Que tal observarmos um pouco a nossa volta e repararmos quais tipos de comunicação podemos encontrar? 
Pense ainda se determinada situação precisaria de palavras para que você a compreendesse. Como no caso do nosso vídeo de hoje, uma fotografia e até mesmo nos símbolos do nosso dia-a-dia, como as placas de transito e os cartões em um jogo de futebol.
Vamos abrir nossos olhos, ouvidos, tato, nosso corpo, nossa mente.... você vai perceber que tem muita ARTE espalhada por ai esperando que você a reconheça e dê significado para ela. Boa observação a todos!




Obrigada a todos que esperaram por esta postagem, prometo postar com mais frequência... 


Beijos da Mabi =]